quarta-feira, 7 de abril de 2010

Inconstâncias e incertezas

Sob novo olhar
Me pego a errar
Impossível doutrinar
Esse jegue teimoso

Nas ruas e nos campos
A luz vai distante
Por onde voltar
A ser um verdadeiro amante?

Amante da vida
E dos ensinamentos
Que meu Mestre me dá
Para o meu entendimento

Ingrato sempre fui
Ou pelo menos devo ter sido
Para ter merecido
Cair nesse turbilhão

Não deixe de aprender
Ele me lembra
Mas inconstante esqueço
E por isso mereço

Mereço as incertezas
Por não saber ouvir
A quem me norteia
Para poder sorrir

Rimas pobres e feias
Não sei mais escrever
Expor ou esconder
Ou simplesmente viver

Ser ou não ser
Escrever ou não
O importante na verdade
É sair desse turbilhão



Homini Pax.

Um comentário:

Vi Scheiner disse...

É sempre bom começar...