sábado, 16 de outubro de 2010

A volta dos que não foram

Como disse o sábio Drummont:

"Fácil é ocupar um lugar na caderneta telefônica.
Difícil é ocupar o coração de alguém. Saber que se é realmente amado."

Nunca havia meu coração sido preenchido com tão formosa flor
Jamais teria sido acariciado com tamanha alegria se não fosse essa magia
Magia que ocupou, remexeu, revirou e estremeceu toda minha alma
Mesmo tendo outrora vivido o que uns chamam de 'contrato social', nunca havia de ter sentido o que é ser casado, se não tivesse te amado.

Como disse o sábio Drummont:
"Fácil é sonhar todas as noites.
Difícil é lutar por um sonho."

Por esse maravilhoso fruto não estar maduro o suficiente
Não aguentou a corrente
Que de tanta emoção arrastava-nos de lá para cá
E foi mais fácil pensar
Que o melhor seria sozinhos ficar

Um até breve foi dado, pois (como já falara)
Amor, quando é sincero
Nunca se desvincula do amado

Sonhava-mos juntos para sempre amar
E não soubemos na tempestade lutar
Para na verdade de Deus caminhar

Sonhos tristes vieram
Para da alegria perdida nos fazer chorar

Tantos sonhos sonhados e tanto choro derramado
Nos fizeram acreditar que havia morrido
O que tínhamos sonhado ter vivido
Mas talvez tivéssemos esquecido
Que estava apenas adormecido

Entramos em liquidação
Nos aventurando pela ilusão
Para tentar ressuscitar o coração

Que mal tratado e longe do amado
Carente estava e não parava
De querer remediar
O que deixou escapar

Mas a diferença para o sucesso
É a atitude de lutar pelo sonho
Sonho sonhado
e não sonho formulado

Então, como disse o sábio Drummont:
"Fácil é mentir aos quatro ventos o que tentamos camuflar.
Difícil é mentir para o nosso coração."
 
Em liquidação
Parecíamos aos outros estar bem
Longe de quem
Não parávamos de sonhar
 
Mas para quê enganar
Se em meu leito pegava-me a te chamar
E chorar, tentando aguentar
Mais um amanhecer não te encontrar
 
Acorda menino
Todos dizem "és louco
Está certo de ficar no mercado
Mas se for atrás dela
És um louco desvairado"

Muito aprendi
Para agora não cumprir
A principal lição
De o coração sempre seguir

Amigos bons, outros nem tanto
Todos dizendo 'bola pra frente'
Contudo, louco me chames
Pois lutarei por ela, minha gente!

Da 'liquidação'
Caminho mais curto para se curar
Fecharei 'para balanço'
Caminho mais correto para onde quero chegar

Lutando para entender, para assim melhorar
E talvez alcançar esse sonho
De receber com alegria
Aquele que nunca se foi nem um dia

Pois sim ele voltou
Mas na verdade nunca fora embora
Meu amor por essa Tulipa
Vai entrar para a história



Que Nossa Senhora Aparecida da Conceição nos abençoe
E Nosso Senhor Jesus Cristo nos perdoe
Para assim nosso Mestre Juramidã
Guiar nossos passos hoje e amanhã!


Homini Pax.

3 comentários:

Vi Scheiner disse...

Seguir o coração é sempre a melhor pedida!!! Mas não devemos deixar de enxergar a realidade... cuide-se sempre, querido!

bjs

Ana Cláudia Pupim disse...

tá inspirado, hein?!
essa tulipa, menina de sorte.
porque será que as dores são tão inspiradoras?
que seria da arte sem as mazelas da vida... Bom saber que podemos ser alquimistas dos fatos, e temos escolha de ir ou ficar e ainda poder voltar sem ter ido...
Abraço, querido!

Janaina Cruz disse...

Só entenderemos a dor de uma solidão, quando perdemos de vista o verdadeiro amor. Mas soltá-lo por alguns instantes nos fará valorizá-lo mais ainda... Sigo teu blog.